A Menina e Manjericão

LAURAUma das tarefas que alunos e professores do ensino integral do Colégio HWR abraçaram é o cuidado com a horta. Eles plantam, regam, limpam, cuidam das plantinhas. Foi assim que um dia, a aluna Laura Coletta de 4 anos, plantou uma pequena muda de manjericão num dos canteiros. O fato é que logo no mês de março os pais da garota foram trabalhar na Espanha e Laura se mudou do Brasil deixando a escola. O pequeno manjericão cresceu, cresceu, muito mais do que se esperava e ficou enorme. Um ano depois os país de Laura voltaram ao Brasil e ela foi matriculada novamente no HWR. Chegou o dia em que a turminha foi fazer uma limpeza na horta e um momento emocionante aconteceu: o reencontro entre Laura e o pé de manjericão. A menina se lembrava com carinho do plantio da muda e ficou emocionada ao ver o quanto ela se desenvolveu. As professoras do integral, Lúcia Helena, Nádia e Flávia também se emocionaram com a história: no crescimento do manjericão ficou espelhado o crescimento da criança que, no retorno ao Brasil, encontrou nesta escola um terreno fértil e cheio de amigos.

Anúncios

Assim as coisas acontecem!

MARIANA.jpgUma das melhores coisas de se trabalhar numa escola é o fato de que as crianças são fonte inesgotável de surpresas boas. A Coordenadora do Ensino Fundamental do HWR, Thais Kolber, estava organizando mais uma campanha solidária em que a escola faz a ponte entre os alunos e uma instituição que precisa de ajuda, desta vez a escolhida foi o “Recanto dos Avós”. No HWR, os estudantes estão acostumados a participar todos os anos de campanhas como esta que cumprem uma função importante em sua formação humana. Thais se viu em busca de uma frase que explicasse a importância da solidariedade para colocar numa mensagem que seria enviada a todos da comunidade escolar. Thais refletiu que melhor do que buscar uma citação de autor famoso no Google seria trazer uma frase dos próprios alunos. Ela foi até uma sala de 5º ano e fez aos alunos a pergunta: – “Qual sua sensação quando você faz uma doação, quando ajuda alguém?”. No começo vieram respostas curtas e tímidas, mas a Coordenadora seguiu provocando os alunos a pensar sobre as sensações ligadas à solidariedade. Foi quando a aluna Mariana Bigongiari disse esta frase que Thais levou não só para seu informativo mas para sua vida: “Quando eu ajudo alguém, eu sinto uma mudança em mim e na outra pessoa. E, da próxima vez, esta pessoa que foi ajudada também poderá ajudar alguém. E assim as coisas acontecem!”.