Vai Ficar Para Sempre – Por Fernanda Mendes

fernanda“Arrrrbi…arrrbi”, foi um dos primeiros relatos que nos contava nosso filho, aos dois anos e com aqueles olhinhos vívidos e comunicativos, sobre seus dias inaugurais de relacionamento com a Profa. Clélia, do Infantil I. Nossa reação foi a de dar a continuidade ao diálogo (ininteligível para adultos, mas magicamente compreensível para pais de pequenos) através de sorrisos e acenos com a cabeça, dizendo “Nossa que legal, filho!”. No dia seguinte, ali mesmo no portão da Escola, que tem cara e atmosfera de “casa da gente”, lá fomos nós tentar decifrar o que ele estava tentando nos dizer. Com um sorriso largo e sonoro e com uma naturalidade surpreendente, a Prof.ª Clélia nos disse: – Ahhhh…é arrasta a cobrinha. Estamos trabalhando com massinha e fico dizendo para eles: Arrasta a cobrinha, arrasta a cobrinha…- Enquanto ela respondia, fiquei imaginando a cena das crianças divertindo-se com massinhas coloridas, e iniciando um delicioso imaginário de que estavam dando vida a lindos e coloridos bichinhos. Por trás da brincadeira, a estratégia pedagógica para estimular os sons guturais do “r” e a atividade motora nas crianças de primeira idade. Para nós, pais, memórias como estas não têm preço. A escolha da Recrearte foi uma questão de “pele”. Na época, havia visitado algumas escolas na região, mas nossa busca era movida mais pela emoção do que por requisitos mais racionais. Buscávamos uma escola com ambiente afetivo, acolhedor e humanizado, como se fosse uma extensão de nossa casa. Acredito que, quando uma escola é pensada com afeto e respeito à essência da criança, os quesitos mais concretos vêm como consequência natural.  Portanto, para nós, a prioridade sempre foi o lado humano.

E nossa intuição não estava errada. A Escola Recrearte sempre correspondeu às nossas expectativas. O carinho era notado desde os porteiros, até os professores, passando por assistentes, tutores, e toda a equipe de apoio. Além disso, a proposta da Escola acaba promovendo o contato mais fácil entre os pais, estreitando relacionamentos entre as famílias, daqueles que serão os primeiros amigos de nossos filhos.

Quando surgiam inquietações e angústias, que hoje entendo são naturais no processo da educação e do desenvolvimento do relacionamento entre pais, filhos e escola, o acesso à coordenação pedagógica, aos professores e às diretoras sempre foi muito rápido e sem obstáculos.

Ao alcançar o fim do ciclo do Fundamental I, passamos por uma fase de dúvidas sobre colocá-lo em uma Escola maior, com uma abordagem mais conservadora. Mas, para nós, era essencial que o aprendizado fizesse sentido para ele. Acredito que é mais prazeroso e mais fácil quando o conteúdo de uma matéria faça sentido.  Não queríamos um “adestramento” para vestibulares, mas um aprendizado que fizesse sentido em sua vida. Além disso, acreditamos que a base da formação de caráter de um indivíduo esteja intrinsecamente ligada ao afeto e à humanização.

Hoje, vendo nosso filho concluir mais um ciclo, compreendemos que acertamos em tê-lo mantido na Escola: respeitando-se as devidas proporções de ser um adolescente absolutamente normal, como qualquer outro, o Diego é um aluno interessado, questionador, responsável, autônomo, com capacidade de articulação e, sobretudo, feliz.

Hoje, aos 14 anos, e já concluindo o 9o. ano do Ensino Fundamental, testemunhamos sua realização plena na última edição da Fecriarte, ao ouvir de nosso filho, após um maravilhoso trabalho desenvolvido pela classe para o tema proposto para este ano: – Nossa! Esta foi a melhor Fecriarte de todas!

Ver nosso filho saindo da Escola com valores sólidos de caráter, com amigos para toda vida, com lembranças doces e memoráveis, nos deixa com a sensação de dever cumprido e de que proporcionamos uma base segura para seus próximos desafios.

Nossos mais profundos agradecimentos a todos os profissionais que formam a Escola Recrearte e o Colégio Henri Wallon, por terem cuidado com tanto amor e comprometimento, da educação de nosso filho. Vocês sempre estarão presentes em nossas vidas, porque à medida que formos vendo ele se realizando em seu futuro, lembraremos que todos vocês fizeram parte da construção de sua essência!

Não preciso nem dizer que a esta altura deste nosso depoimento, já estou com água nos olhos e com um nó na garganta!

Beijos carinhosos para todos vocês!

Fernanda de Silos Mendes
Patrício de la Barra
(São pais de Diego Mendes de la Barra aluno do 9º ano do Colégio Henri Wallon|Recrearte)

Partindo com a mala cheia de coisas boas

shimbaA Ivani Shimba conheceu o colégio Henri Wallon|Recrearte através de sua cunhada. Por conta dos sobrinhos, o sobrenome Shimba já faz, há mais de 20 anos, parte da vida da escola. Quando Melissa, a primeira filha da Ivani, tinha três anos mais ou menos, foi matriculada na Recrearte. Segundo a mãe, adaptou-se muito bem e seguiu, ano após ano, até se formar no Ensino Fundamental do Henri Wallon. Quando a segunda filha nasceu, a Karina, Ivani não teve dúvidas: esperou completar os três anos e matriculou na Recrearte. Ela conta que se sentiu totalmente despreocupada por já conhecer e adorar o método de ensino do Colégio. No Henri Wallon|Recrearte, Ivani sempre sentiu total segurança em deixar as filhas por conta do grande retorno tanto no aprendizado quanto nas amizades dentro da sala de aula, além da admiração pela coordenação, professores e funcionários. Agora que Karina está deixando a escola no 9º ano, Ivani desabafa: “Minhas filhas adoram o colégio, sentiremos muitas saudades desse dia a dia, de todos e de tudo. A escola contribuiu em toda a formação delas, é difícil falar: no desenvolvimento, no vocabulário. Eu achei excelente. Todos os professores foram especiais, cada um ficará marcado no coração delas para sempre e, com certeza, no nosso também. Só temos que agradecer a esses grandes mestres da vida. A mensagem que gostaria de levar a outros pais é a seguinte: não tenham dúvidas em deixar seus filhos nesta escola. É uma das melhores que conheço e nos traz segurança, tranquilidade, além de ensino de qualidade e honestidade. São 20 anos de convivência com o Colégio e só tenho a agradecer e muito. Pena não termos mais um filho para deixar mais 20 anos lá. Obrigada de coração a todos que fizeram nossa vida feliz por duas décadas. Amamos vocês!

Ivani e Hélio são pais da Melissa e da Karina Shimba, aluna do 9º ano do Colégio Henri Wallon|Recrearte.