Ficou no coração – Com Luam de Barros

Luam

O painel da Arena Corinthians foi programado por ele. A mensagem do painel, ele dedica à escola.

Entrei no Colégio Henri Wallon | Recrearte com uns dois ou três anos de idade e me lembro bem que a Clélia foi uma das minhas primeiras professoras. Lembro-me também que, na época, havia a Vó Ida, que era como uma segunda vó para todo mundo. Ela ensinava pra gente brincadeiras da sua infância como o “passa anel”. Outra que não me esqueço é a Maristela, que fazia deliciosos bolinhos de chuva pra meninada. Presenciei todas as transformações que a Escola viveu desde a pequena casa na Rua Dona Brígida. Quando as obras estavam terminando na Rua Guimarães Passos, eu, que tinha uns doze anos, fui um dos monitores que apresentavam o novo espaço para a comunidade escolar. Eu ia, cheio de orgulho, mostrando cada lugar e o que aconteceria ali. Posso dizer que passei por todas as etapas que o Henri Wallon | Recrearte oferece a um aluno e acho que a melhor coisa que a minha família fez foi me deixar na Escola até o 9º ano. Por que ali eu tive uma base humana e de relacionamentos que fez e faz a diferença na minha vida. O fato de não nos sentirmos apenas um número, como acontece nas escolas grandes, foi fundamental para desenvolver, em mim, uma segurança maior na hora de lidar com as dificuldades. Quando fui para o Colégio Porto Seguro, senti falta dessa proximidade com funcionários e professores. Nas escolas maiores, há muita competitividade o tempo todo. E foi no Henri Wallon | Recrearte que comecei a gostar de lidar com música e som nos eventos organizados pela Beth. Lembro bem quando a Lourdes e a Rosaly me deram a primeira chance de fazer profissionalmente uma festa da Escola. Ali, começou o meu caminho rumo ao curso de Engenharia que faço hoje na FEI. Do Henri Wallon | Recrearte ficaram grandes amigos e deliciosas recordações.